jusbrasil.com.br
21 de Fevereiro de 2018

Gratificação e Bonificação na CLT

Tanto as gratificações como as bonificações são valores pagos a título de reconhecimento e devem ser lançadas na folha de pagamento

Studio Fiscal
Publicado por Studio Fiscal
há 3 anos

Segundo a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), tanto as gratificações como as bonificações, integram o salário do trabalhador como “gorjetas”. Ambas configuram-se um pagamento feito por liberalidade do empregador, sem um limite de valor previamente estipulado ou mesmo instruções sobre como essas devem ser pagas, cabendo a livre escolha da empresa e podendo vir como forma de agradecimento ou reconhecimento por serviços ou tempo do mesmo prestado para a empresa.

É importante salientar que todas as gratificações ou bonificações concedidas deverão obrigatoriamente ser lançadas em folha de pagamento, sujeitando-se à incidência dos encargos sociais de INSS e FGTS. Ainda, dentro dos parâmetros da Lei ou por meio de documento coletivo sindical, as duas formas podem ser ajustadas a fim de obrigar o empregador ao seu efetivo pagamento.

No âmbito jurídico é entendido que esses valores deverão ser debitados a título de reconhecimento e caso seja pago por habitualidade, tão quanto a sua integração nas verbas trabalhistas como férias, 13º salário, passa a ter natureza salarial. Para a designação da habitualidade, a qual não possui previsão legal ou prazo fixado, não é necessário haver um ciclo diário, semanal, mensal ou anual. Daí conclui-se que o pagamento efetuado sem relação direta com o desenvolvimento da relação empregatícia não poderá integrar as verbas trabalhistas.

Contudo, vemos que as gratificações e as bonificações podem ser classificadas pela periodicidade do pagamento (mensais, bimestrais, trimestrais, semestrais ou anuais), pelo valor que poderá ser fixado ou variável, pelos tipos de ajuste classificados como verbal, escrito e tácito, tanto como devido à fonte da obrigação autônoma ou heterônoma, quanto à causa podendo ser essa: gratificações de função específica, quando a gratificação só é dada enquanto o empregado permanecer na função; gratificações de balanço pagas de forma fixa, por porcentagem do salário ou a critério da empresa e; gratificações de eventos específicos na empresa.

Fonte: Blog Studio Fiscal

2 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Não entendi muito bem, se você dispor de um sistema de gratificação por atividade específica, esta será incorporada ao salário do empregado e deverá ser pago mesmo se o empregado mudar suas funções? Como fica quando um empregado entra em férias e outro assume as atividades (e recebe essa gratificação apenas por esse momento)? Por fim, se incorporar e o empregado deixar de realizar as atividades diferenciadas, por analogia, devemos pagar a gratificação para todos os outros empregados (por conta da isonomia)? Obrigado pela ajuda, tenho muito interesse em saber como se pode montar um modelo de trabalho parecido com o serviço público (mas melhor) voltado para a iniciativa privada. continuar lendo

Matéria muito boa, tema bem escolhido, porém, muito curto diante de todas as possibilidades que poderão discorrer e esse respeito. Caso o nobre colega se disponibilize, seria bem apreciado uma continuação mais aprofundada do tema. continuar lendo